Uma mente universal

 SAÚDE MENTAL


Conversas psicanalíticas com o Dr. Eduardo Baunilha


Foto de arquivo pessoal


Uma mente universal

Larry Dossey, um renomado cientista norte-americano, cunhou o conceito de Mente Una, que conforme sugere as evidências, é um domínio coletivo, unitário, do qual fazem parte todas as mentes.

Sabemos que vivemos em um mundo extremamente egoísta, recheado de ganância, destruição, cheio de divisão e amargura que, se continuar neste crescente irá engolir a todos.

Precisamos de agir mas, antes disso, clarear nossa visão, para que a ética e a moral não se dilua de nosso ser. Diante disso, o conceito de Mente Una pensado por Larry Dossey torna-se muito pertinente.

É muito comum vermos ao nosso redor pessoas sofrendo todos os tipos de dores oriundas de doenças de toda ordem. Todavia, quando interpeladas, muitas dizem que fazem o possível para terem uma qualidade de vida melhor e/ou que têm familiares que morreram com idade avançada, por isso podem ficar despreocupados e, continuam a agir como se a vida fosse eterna.

Porém o corpo tem um limite e, mais cedo ou mais tarde acontece uma tragédia. Diante desta as pessoas afetadas se veem obrigados a ter um estilo de vida diferente, ou então podem ter um encontro com a morte. Tendo em sua frente um algoz tão implacável decidem se voltar para o que é melhor e uma mudança existencial acontece.

Esta é uma das premissas da perspectiva da Mente Una. Não que ela resolverá todas as mazelas da humanidade, mas abre para nós a possibilidade de encontrar um caminho poderoso de mudança. O segredo é não se conformar com o que todos acreditam ser bom para a vida, mas renovar o nosso entendimento para um conhecimento pessoal do que é bom.

Mas, o que seria uma Mente Una? Para Dossey, as mentes não são individuais, e a separação entre as mentes é uma ilusão. “Em certo sentido, todas as mentes se reúnem para formar uma única mente” (DOSSEY, 2018, p. 28).

E tal conceito já era proclamado há muito tempo. Erwin Schödinger, físico e ganhador do Prêmio Nobel, deixou escrito: “Existe apenas uma mente”. Também o físico David Bohm afirmou: “No fundo, a consciência da humanidade é uma só”.

E por que saber disso é importante? É porque ficamos cientes de que estamos intimamente ligados aos outros e com toda a vida sensível. Essa constatação nos faz entender que devemos sair da condição de autocentrados para uma visão de que quando faço para outros, estou fazendo para mim mesmo.

Aí a vida deixa de ser enfadonha e se torna menos cansativa, pois dilui algumas “impossibilidades” que seriam vista assim por portarmos uma vida individual.

Nesta acepção, a vida ganha um significado mais interessante e, também propósito, “além de um sentido da sacralidade de todas as coisas”, relata Dossey.

Interessante não é? Na próxima semana continuaremos refletindo a respeito da Mente Una. Um grande abraço para vocês.

 

Referências:

DOSSEY, Larry. A conexão da consciência. Trad. Marta Rosas. São Paulo: Cultrix, 2018.


Comentários

Sejam bem-vindos à Cellebriway.
A sua Revista Eletrônica

Postagem Anterior Próxima Postagem