A força da regulação

                   



SAÚDE TOTAL

Conversas psicanalíticas com o Dr. Eduardo Baunilha

A força da regulação

Quando estamos vivenciando qualquer situação, a primeira resposta que temos é a emocional. Isso acontece porque o cérebro inferior, responsável pelas emoções, por conter o sistema límbico, recebe, a priori, as informações fornecidas por nossos sentidos.

Então se tivemos experiência positivas, ao estarmos diante de um contexto que relembre tal situação, certamente ficaremos felizes.

Todavia, se for uma experiência negativa, esta produzirá uma angústia, por se juntar a outras vivências negativas já recalcadas por nossa psique.

Vou simplificar.

Por exemplo: Você foi assaltado por um motociclista. Todas as vezes que uma alguém pilotando uma moto passar por você seu coração vai acelerar. É seu sistema de defesa se preparando para que você reaja a um perigo iminente.

E isso é tão antigo. Já no útero, o cérebro em desenvolvimento começa a armazenar fragmentos de nossas experiências de vida. Claro que as vividas por nossas mães, sejam elas boas ou ruins.

Bruce Perry (2022) relata que nossos sentidos externos – visão, audição, olfato, paladar e tato – percebem o que acontece fora do nosso corpo. No entanto, eles precisam de órgãos sensoriais – olhos, ouvidos, nariz e pele. Estes, quando estimulados por luz, som, cheiro ou toque, neurônios especializados enviam um sinal para o cérebro.

Então se temos vivências positivas no ambiente em que vivemos – boa música, compreensão, diálogo constante, brincadeiras e poucas críticas – teremos mais força, mais resiliência e, portanto, uma vida mais significativa.

Porém, se o nosso ambiente for hostil, crítico, negligente, abusivo e violento – teremos nosso sistema de regulação muito sensível, avariado, portanto, uma vida em intensa aflição e constante vigilância.

Ou seja, tudo o que se assemelhar ao ambiente, ou pessoa, ou situação hostil, será um gatilho para sentirmos angústia.

Para mudar este quadro é necessário que tenhamos experiências positivas. É importante que priorizemos nossos sonhos e que busquemos relacionamentos saudáveis. Bruce Perry (2022) sinaliza que “a conectividade nos regula e gratifica”. E quando falamos de regulação, estamos colocando o equilíbrio na ordem do dia. Assim sendo, relacionamento é a forma mais poderosa de regulação.

Um abraço fortíssimo para você!


Referência:

PERRY, Bruce e WINFREY, Oprah. O que aconteceu com você? Trad. Eliza Nazzrian. Rio de Janeiro: Sextante, 2022.


Post a Comment

Sejam bem-vindos à Cellebriway.
A sua Revista Eletrônica

Postagem Anterior Próxima Postagem